(???)


É sobre quem controla o próprio tempo,
sobre horas divididas em números decimais...
O que invade o corpo é o suor indesejado,
que frio escorre sobre a face,
é sobre aquelas horas que os medos se tornam insanos,
as esquinas que nunca dobrei, as ruas que nunca ousaram existir...
é sobre planos, influências...
sobre mercados e valores, valores que nem sempre concordamos
mas as coisas mudam, nem sempre com bons ventos
as vezes o vento, que de tão ralo, traduz no sol o meu suor indesejado
contrariando a própria vida, que se repete nas mesmas notas
notas que me tiraram o Inverno, que pela repetição do próprio tempo
se tornou fora de compasso.

(foto tirara para o encate dos Korova's)

Um comentário:

binha disse...

não me pergunte pq...mas se houvesse um sapo entre a grama a foto teria ficado perfeita...